Dicionário do Vidro

Forno de têmpera

Forno utilizado para fabricação dos vidros temperados. Depois de submetido ao forno de têmpera, a chapa de vidro float adquire resistência mecânica elevada e características protetivas, comuns em folhas de vidro temperado.

Dentro do forno de têmpera, o vidro comum recebe um processo térmico, onde é aquecido a temperaturas elevadíssimas para, em seguida, serem resfriadas com jatos de ar frio de alta pressão, responsáveis por promover o resfriamento da superfície rapidamente, enquanto o interior da chapa de vidro mantém-se quente.

Isso causa tensão nas moléculas que compõe o vidro, que se encontram expandidas no interior e solidificadas na extremidade. Ao se solidificar ainda expandida, a folha de vidro terá acumulado tensão e compressão, adquirindo resistência elevada. No entanto, justamente devido à sua rigidez, o vidro temperado é menos flexível quando comparado ao vidro comum ou vidro laminado.

Além de resistência mecânica elevada (em média, 6 vezes mais resistente que o vidro comum), o vidro submetido ao forno de têmpera possui outra particularidade: Quando submetido à cargas excessivas, o vidro se fragmenta em pedaços levemente arredondados, o que dificulta acidentes como cortes.

Entretanto, vale lembrar que, após passar pelo forno de têmpera, o vidro não poderá mais ser cortado, furado ou partido, já que suas moléculas se solidificaram expandidas.

Dessa forma, os orifícios para colocação de parafuso, polimento das arestas ou a lapidação das bordas devem ser realizados antes da submissão do vidro ao forno de tempera. Esse é um dos motivos pelo qual os profissionais do ramo devem adquirir vidros somente de empresas sérias.

Em fornos de têmpera simples, o vidro é manuseado na vertical. Em fornos de têmpera sofisticados, o vidro é manuseado horizontalmente, tendo em vista que os fornos atuais possuem maior capacidade.