Dicionário do Vidro

EPI

Sigla para Equipamento de Proteção Individual. Conforme orientam as leis da CLT (art. 166), uma empresa é obrigada a fornecer equipamentos específicos para garantir proteção individual para todos os seus funcionários, de forma gratuita. Da mesma forma, a utilização do equipamento de proteção é um dever do funcionário.

O EPI é indicado para todo tipo de obra, devem estar em perfeito estado de conservação e funcionamento e, obrigatoriamente, com a aprovação do Ministério do Trabalho e Emprego.

A ABNT possui normas que regulam a utilização dos equipamentos de proteção individual em qualquer tipo de obra, de acordo com as normas NR 06 (uso dos EPI’s) e NR 28 (Fiscalização e penalidades). O uso correto do Equipamento de Proteção Individual é fundamental para neutralizar possíveis riscos que não podem ser eliminados.

Na construção civil, por exemplo, o EPI visa sanar diversos fatores, como riscos físicos causados pelos ruídos oriundos de equipamentos que possuem volume consideravelmente superior à voz humana, como uso de martelo, serras, lixadeiras, betoneiras, etc.

O EPI também deve oferecer proteção para riscos ergonômicos, como dores e problemas de postura possivelmente causados por movimentos repetitivos, levantamento e transporte de peso excessivo ou falta de educação postural.

Riscos mecânicos, como fraturas e lesões, que podem ocorrer devido à queda de nível, choques elétricos, perfurações, andaimes ou escadas mal instaladas, também podem ser sanados com o uso de equipamento de proteção.

Os EPI’s devem neutralizar ainda os riscos químicos, como tonturas, dor de cabeça e vômitos resultante da inalação de gases, solventes, fumaça, poeiras. Riscos biológicos, como infecções causadas devido ao contato sem proteção com lixo, esgoto, picada de inseto, dentre outras coisas.

Principais Equipamentos de Proteção Individual

Capacete: Obrigatório para todos os profissionais. Tem o casco confeccionado em material plástico rígido de alta resistência a impactos. A suspensão, armação interna e a jugular são importantes para evitar que o dispositivo caia da cabeça, além de absorver impactos.

Óculos de proteção: Existem diversos modelos de óculos de proteção, específicos para cada tipo de risco. São obrigatórios em etapas da obra que apresente poeira em suspensão, materiais químicos, radiação e serviços com solda ou maçarico. A tonalidade das lentes varia de acordo com a atividade.

Protetor facial: Geralmente feito em acrílico, policarbonato ou acetato, é uma proteção para os olhos presa na cabeça, mantendo as mãos do funcionário livre. As lentes também variam de acordo com a atividade exercida.

Protetores auditivos: Utilizado para controlar a exposição aos ruídos, podem ser encontrados em modelos tipo plug ou tipo concha.

Luvas: Feitas de diferentes materiais. Luvas em PVC são indicadas para atividades com produtos químicos. Luvas de couro são usadas para soldar, serrar ou cortar. Luvas de borracha servem para serviços elétricos. Luvas de algodão são indicadas para reduzir o atrito em atividades manuais.

Máscara respiratória: Existe as máscaras semi faciais (que protege nariz e boca) e as faciais (que protege nariz, boca e olhos). São compostas por camadas fibrantes para proteger contra gases, poeiras e vapores; alguns modelos são fabricados de silicone com filtros.

Botas e sapatos: As botas com biqueira de proteção e com solado antiderrapante são usadas para a circulação pela obra garantindo proteção dos pés em áreas molhadas e contra objetos pontiagudos. Os sapatos podem ser de couro ou material equivalente, são obrigatórios e de uso permanente em qualquer obra.